Espiritualidade

Minha história na Umbanda

Cresci no Kardecismo e por muitos momentos senti uma certa separação entre centros espiritualistas que mesmo acreditando em reencarnação, energias, etc, ainda insistiam nessa divisão e na ideia de que se você seguir a Doutrina Espírita, você não pode conhecer outras religiões e principalmente a Umbanda (e vice-versa).

Aos 19 anos isso começou a mudar e eu passei a buscar terreiros umbandistas que pudessem responder minhas dúvidas em relação a essa religião tão misteriosa para mim, até então. Comecei a frequentar e descobrir o lugar certo pra mim, e aos poucos fui vendo algumas crenças limitantes sendo desfeitas, restando apenas o amor e respeito por essa religião tão bonita e que tem como prioridade ajudar o próximo e auxiliar nosso planeta a evoluir para um novo nível de espiritualidade.

 

 

Quero ressaltar alguns detalhes importantes:

• A Umbanda, assim como todas as religiões, doutrinas e filosofias, possuem seguidores bons e ruins, ou seja, pessoas dispostas a fazer o bem e pessoas que apenas querem se aproveitar dessas crenças para enganarem e ganharem em cima de quem não “percebe”.

• A ideia desse vídeo é mostrar para aqueles que ainda não conhecem a religião, que é uma religião linda e séria, que não vai te “amaldiçoar” para o resto da vida se você decidir não frequentar mais em algum momento.

• Intolerância Religiosa é algo muito sério e que deve ser falado, e o maior objetivo é trazer conhecimento para evitarmos dúvidas e erros.

FAQ SOBRE A UMBANDA:

Exu é do “mal”?

Não, são entidades que trabalham com energias mais densas, optaram por auxiliar o próximo em situações onde as trevas estão fortalecidas, conseguem “lidar” com esses seres de forma mais direta, já que conhecem bem com quem estão lidando. São seres que, apesar do que parece (nunca se leve por aparências), já vi ajudarem muitos, em todos os sentidos, alcoolismo, vícios em geral, doenças, obsessões, energias negativas que possam atrapalhar alguém, etc.

 

Posso incorporar entidades em qualquer lugar?

Não. O que incorporamos fora do centro vezes são espíritos ainda nas trevas, as entidades evitam ao máximo ter que incorporar fora do terreiro, e quando acontece, provavelmente é com um médium já desenvolvido e que já trabalha na umbanda ou candomblé (ou qualquer outra religião que trabalhe com entidades). Muitas vezes, quando vemos “incorporações” de Exu principalmente, que machuca as pessoas, ou que fala coisas terríveis, normalmente são atuações (pois é), ou espíritos querendo se passar por entidades.

 

Sou médium de incorporação, preciso trabalhar na Umbanda?

Não, você não precisa fazer nada. Você pode buscar locais que atendam melhor você e que te façam sentir mais equilibrado. Ou não, também. É sua escolha individual. No Kardecismo também existem funções para médiuns de incorporação, e eu acredito que suas ferramentas são utilizadas da forma que seus mentores e a espiritualidade decidir que são melhores pra você, por isso sempre indico pedir orientação dos espíritos de luz para que te encaminhem para onde você irá melhor trabalhar sua mediunidade.

 

O que “direita” e “esquerda”? Não entendo nada disso!

Ambos trabalham para o auxílio ao próximo, procure um terreiro sério e encontrará isso. As entidades de direita (Caboclos, Pretos-Velhos, Baianos, Erês, Marinheiros, entre outros) são espíritos que trabalham com a reestruturação moral do espírito através da luz. Já a Esquerda (Exus e Pombagiras), trabalha absorvendo negatividade.

 

Se tiverem mais dúvidas, mandem aqui!

 

Espero muito que vocês tenham gostado do meu relato e que compartilhem aqui no blog suas histórias, vou adorar ler e conhecer!

You Might Also Like

  • Fernanda Ferreira da Silva

    Oi Lu, estou adorando seu blog, faz pouco tempo que o encontrei e já é meu favorito. Queria dizer que eu também tinha muitas dúvidas, talvez até preconceitos em relação a Umbanda, já tinha ouvido falar mal e tudo mais. Agora ouvindo de você que assim como eu se identifica também com o espiritismo kardecista, que a Umbanda é uma doutrina séria, posso acreditar, e quero pesquisar melhor para poder entender bem. Abraços! E xô preconceito!

    • Com certeza Fe, e não só isso, mas também buscar conhecer por conta própria e tirar suas conclusões é muito importante. Só assim dá pra saber de fato, quando só ouvimos o que os outros dizem e não averiguamos, caímos no preconceito, que é algo que só atrasa nossa evolução! Beijos Fe <3

  • Fernanda Ferreira da Silva

    Concerteza, está certíssima, ainda quero conhecer de perto. Bjusss, e muito obrigado pela resposta, você é uma querida, te admiro muito!